Durante dois anos o pólo 2 da ESEC tornou-se a casa do “Campo de Visão” – Um estudo sobre Improvisação.
Dirigido pela Trincheira Teatro, teve como objectivo o estudo intensivo do exercício criado por Marcelo Lazzaratto, em 2004, no Brasil.

“Trata-se de um exercício de improvisação teatral coral no qual os participantes só se podem mexer quando um movimento gerado pelo líder estiver ou entrar no seu campo de visão. Os atores são impedidos de estabelecer contacto olhos nos olhos. Eles devem ampliar a sua percepção visual periférica e, através dos movimentos, das suas intenções e pulsações, conquistar naturalmente uma sintonia colectiva para dar corpo a impulsos sensoriais estimulados pelos próprios movimentos, por algum som ou música, por um texto ou situação dramática.”
Marcelo Lazzaratto

A partir daqui, procurámos cinco relatos, na primeira pessoa, de situações que aconteceram por MOTIVOS PECULIARES.
Tudo é um jogo.
Um jogo de sensação, reacção, improvisação.
Não é uma história.
São imagens.
Imagens em movimento…
Ninguém sabe o que o outro vai fazer.
Se vos dissermos que sabemos para onde o barco vai, estamos a mentir.
Mas, já que nos lançámos ao mar…

título | Motivos Peculiares
textos e ideia conceptual | construção colectiva a partir do laboratório “Campo de Visão”
interpretação | Alexandre Oliveira, Ana Bárbara Queirós, Beatriz Antunes, Cláudia Carvalho, Eva Tiago, Jaime Castelo-Branco, Matilde Fachada e Sofia Coelho
direcção | João Paiva
fotografia | Carlos Gomes
som | Sinah Be e João Paiva
apoios | Projecto “DESCOLAR” – Escola Superior de Educação de Coimbra
classificação etária | M/12
produção | Trincheira Teatro 2019

Mais informações sobre o laboratório: Campo de Visão